terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Explicadinha.

Marquei meu médico para o dia 1 de fevereiro, estou muito ansiosa... e não vou aguentar, tenho que ir à aula de ballet amanhã... é, sou extremamente teimosa.
Bom, mas eu vou explicar direitinho tudo o que aconteceu:
Foi, assim, quando eu tinha 8 anos, implorei para que a minha mãe comprasse uma sapatilha de ponta para mim, eu estava no Primary ainda, e eu tinha uma amiga, vou chamá-la de V (peguei essa mania da Liliane Prata) que comprou comigo, e todos os dias nós dançavamos juntas, ficavamos copiando danças das meninas maiores e éramos muito felizes.
Até que um dia, no dia que eu ia dançar oficialmente na ponta pela primeira vez (tinha 12 anos), eu estava ensaindo um Pas de Deux com o meu querido amigo L, que eu nunca mais vi, e ele me "meio" que me derrubou, e eu acabei caindo em cima do pé, comecei a chorar muito, até a dona da academia foi ver o que havia acontecido comigo. Foi um drama, tive que dançar na meia-ponta, mas enfim, pensei que tinha torcido e só, continuei dançando, fazendo aulas, e depois de 3 meses, a dor só aumentava. Fui no médico, ele dizia que não era nada e passava fisioterapia, cheguei a fazer 20 seções de fisioterapia e nunca melhorava nada. Até um dia que ele pediu a ressonância, eu fiz, e ele descobriu o que eu realmente tinha. Isso que eu tenho é um osso acessório super inflamado, que se forma por muito esforço no pé entre 8 a 12 anos (nas mulheres), e houve um tipo de fratura que não se consolidou.
Ele me disse que eu teria que fazer uma operação, mas que essa operação era muito arriscada e que ele só fazia essa operação em quem ganhava dinheiro com isso. Como não tinha certeza do que queria e estava morrendo de medo (poxa, se até o médico tem medo de fazer, imagina eu né), conversei com os meus pais e optei por parar mesmo, comecei a fazer aulas de canto e de violão, até cantei na igreja, estva empenhada, mas sempre senti que havia alguma coisa faltando, que eu não estava completa.
Após 3 anos (agora, hehe) eu redescobri o meu amor pela dança, minha mãe disse que eu poderia fazer jazz, contemporâneo ou alguma dança em que não tivesse de usar ponta para não sentir dor, só que o meu grande amor é o ballet clássico e nenhuma dança pode me completar mais que ele. Cheguei a ir no médico, e ele me disse que tudo poderia ter melhorado com o tempo, então comecei de novo, não senti dor no começo, mas quando a do chegou (semana passada) não conseguia nem andar, sinto que tem uma ferida aberta dentro do meu pé, acho que as coisas pioraram, na verdade, tenho certeza, porque peguei o resultado da minha nova ressonância e só tem mais problemas. É muito complicado, mas eu estou mais confiante do que nunca, tenho certeza que Deus não iria colocar uma dificuldade em minha vida da qual eu não possa superar, e seja o que tiver que ser, eu tenho fé.
Expliquei tudo isso porque ainda nem tinha falado nada sobre isso, falei tudo por cima, não havia explicado detalhadamente, não sei se interessa à alguém, mas é só para completar né.
Bom, agora só estou esperando pelo dia 1, hehe.
Muito obrigada por ler.
Boas danças!

4 comentários:

  1. Então isso tudo aconteceu porque você começou a usar ponta mais cedo?
    Sua professora nunca falou nada, não?
    Boa Sorte pra você dia 1º
    Beeijos

    ResponderExcluir
  2. Não tenho certeza, mas tudo indica que foi isso...
    na verdade minha professore nem sabia, eu era muito rebelde rsrsrs
    muito obrigada meeesmo!
    seu blog é lindo!
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Nossaa que historia menina
    Você ama muito o ballet
    Que Deus ti ajude a voltar a dançar
    bjs....

    ResponderExcluir